Castelo
  1. Castelo

Um castelo extraordinário do Vale do Loire

Castelo Medieval

Fortaleza no exterior com a sua torre de menagem, o seu fosso, a sua ponte levandiça (ainda em funcionamento) e o seu caminho de ronda, o Castelo é também um castelo de agrade. Depois da entrada, sobre a qual se destaca o brasão da família Beauvau com o seu lema « Beauvau sans départir » (« Beauvau sem desistir »), o visitante toma as escadas onde se encontram grafitos do século XV. Durante o Verão organizamos visitas do Castelo para os adultos e visitas mascaradas para as crianças.

Um castelo no meio dos campos

As grandes salas do Castelo do Loire apresentam uma atmosfera majestosa. Tudo nelas contribui para reforçar este sentido: das chaminés góticas monumentais às paredes revestidas de cal como se faz na Toscana, no Sul da Itália, da sumptuosa tapeçaria de Bruxelas aos parladoiros situados em frente das grandes janelas a mainéis, onde o visitante é convidado a assentar-se para contemplar os jardins. Na « Sala do Banquete », o episódio bíblico do « Banquete de Balthazar » foi pintado a óleo por um mestre flamengo do Renascimento. No teto, a pintura “a fresco” executada por um mestre italiano representa as quatro estações através do ciclo anual uma vinha. Encontraram-se então nesta sala um mestre flamengo e um mestre italiano, ou seja dois representantes dos maiores focos artísticos europeus do século XVI.

A coleção de mobiliário gótico e renascentista vai além disso maravilhar os apreciadores de arte decorativa. Uma particularidade do Rivau é a exibição de troféus e de arte cinegética, na qual se encontram também obras de artistas contemporâneos. Consegue encontrar essas obras?

Castelo Medieval class=

Cenografia sonora

A nova cenografia sonora dá vida ao interior deste Castelo, acrescentando ainda mais magia e animação às suas salas. Os visitantes do Rivau, novos ou mais idosos, vão ser maravilhados pelo ambiente criado através desta cenografia: um cavaleiro entra no pátio interior, encontra um cavalariço, um coche, cavalos, rodas metálicas, botas… Tudo isto constitui um verdadeiro passeio teatral que vem completar a projeção audiovisual dos estábulos reais e a deambulação nos jardins de contos de fadas.